quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Adentramos 2008 e é impressionante como a população, de forma geral, ainda desconhece a existência da legenda oculta (o closed caption), sua utilidade, para quem se destina e, principalmente, do por que de sua existência!

Milhões de lares nos últimos 10 anos trocaram seus televisores, mas pouquíssimos dos seus integrantes sabem para que serve a tecla CC no controle remoto.

Quando eu penso que a mídia já divulgou o suficiente, que existem grupos de discussão sobre o assunto, fóruns, painéis, congressos, debates etc... e que a população já deve estar bem ciente do que se trata... chego à conclusão de que toda informação dada ainda é insuficiente e que só atentaram os que têm interesse direto no assunto.

Ao me expor nesse nosso conturbado mundo (festas, encontros, reuniões, almoços e jantares, num táxi, numa van, num avião, no ônibus interestadual), ainda me surpreendo como muitos poucos, poucos mesmos, sabem o que é o closed caption (CC), para que serve e a quem se destina. Aí realmente entendo porque são gastos milhões em marketing e propaganda!

Estou falando daquelas legendas com letras brancas (maiúsculas ou minúsculas) sobre uma tarja preta que aparecem em seu televisor quando, propositalmente ou sem-querer, se aciona a tecla CC no controle remoto.

E por falar em tarja preta, tenho ouvido inúmeros questionamentos sobre o por que de as legendas serem apresentadas assim.

O Closed Caption surgiu nos Estados Unidos na década de 1970 não para os deficientes auditivos, mas para enviar a hora certa para toda a nação. Em 1973 o Ministério de Educação e a TV pública do governo norte-americano resolveram transmitir semanalmente um programa em caption, levando o interesse às agências de publicidade e seus clientes. Somente em 1982 foram feitas as primeiras transmissões em tempo real para jornalismo e esportes. Um ano mais tarde foi criado o primeiro microchip de closed caption pela empresa ITT CORP. Uma década depois foi introduzido no Congresso Americano o "Television Decoder Circuity Act" que obriga toda televisão de 13 polegadas, fabricada ou importada, a ter um circuito decodificador de closed caption. Atualmente diversos países utilizam esta tecnologia. A programação de TV dos EUA e Canadá é quase 100% legendada, inclusive os comerciais.

Então a Universidade Gallaudet (única universidade do mundo com programas desenvolvidos para pessoas surdas, situada em Washington, DC) fez estudos com entre os surdos, objetivando criar um consenso para a produção das legendas que melhor os atendesse. Desse estudo surgiram os parâmetros utilizados hoje na produção da legenda oculta e a forma de apresentação que mais facilita a leitura pelos surdos: letras brancas, todas maiúsculas, sobre tarja preta.

Pois é! A legenda oculta possibilita que 5,7 milhões de brasileiros, surdos ou com perdas auditivas, tenham acesso à informação, entretenimento, à cultura e lazer propiciado pelo maior veículo de comunicação em massa, a televisão!

Imagine-se sentado num vagão de metrô e tape completamente os ouvidos. Nenhum som chega até você. Você não ouve a discussão entre mãe e filha, entre os dois rapazes que discutem futebol, nem das moças que comentam sobre o último capítulo da novela... Você não participa. Apesar de ver, não sabe o que está acontecendo. Você não interage!

Agora, você está diante da TV e não sabe porque seus familiares riem tanto de uma determinada cena. Não ouve o discurso inflamado do político... O que estará dizendo? O que estará prometendo? Esse ano tem eleições? Quem são os candidatos? Quais os seus nomes e suas propostas?

E o que estará dizendo a bonita jornalista a ponto de deixarem todos tão tensos? Ou por que riem, choram, se emocionam, se assustam, ou roem as unhas diante daquele filme?

Agora, você sabe a quem se destina a legenda oculta e por que é tão importante!

Apesar de iniciativas como as da Rede Globo de Televisão, do SBT-Sistema Brasileira de Televisão, da TVE, TV Câmara e TV Senado, que já legendam parte de sua programação, o surdo --segundo a Lei 10.098 e da Norma Complementar nr. 1/2006 de 27/JUN/2006-- terá que esperar até 2017 para poder ver e compreender toda a programação oferecida pelas emissoras de TV! Esperemos que as outras emissoras, inclusive as de TV a cabo, não esperem tanto!

Algumas empresas, conscientes da responsabilidade social e através do patrocínio a projetos, já viabilizam esse acesso: a Petrobrás (patrocinando a Videoteca Nacional Legendada), o CCBB-RJ (com exibições, semanais, gratuitas de filmes nacionais legendados), Mc Donald e Itaú (com seus comerciais legendados).

Falta as agências de publicidade, marketing e propaganda colaborarem com a propagação, incentivando seus clientes a legendar seus comerciais. Afinal, esse público de 5,7 milhões de brasileiros também é consumidor! Façam o closed caption ser conhecido por todos, e é com vocês que está a “faca e o queijo” da divulgação!

Atenciosamente,
Sandra Lúcia D. Almeida
Página curricular: http://one.xthost.info/sandracc

Nenhum comentário:

Postar um comentário